MARKA DA PAZ

MARKA DA PAZ
A EMPRESA QUE MAIS CRESCE NO BRASIL. CADASTRE-SE JÁ E TENHA UMA LUCRATIVIDADE DE 100%

Blog totalmente gospel de Presidente Médici-MA

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Aos 70, casal parte de ‘motinho’ do Maranhão para dar volta ao mundo

“Resolvemos quebrar o paradigma da terceira idade, de vida monótona e sem emoção, à qual fomos nos acomodando sem perceber”, diz o uruguaio Serafín Layola, 71, referindo-se a ele e a sua mulher, Shirley Bosc, 70.
A frase é quase um eufemismo, dada a maneira que o casal encontrou para “quebrar o paradigma”: eles partiram de Pinheiro, Maranhão, no dia 1º de junho para dar a volta ao mundo a bordo de uma “motinho” de 160 cilindradas. Levaram R$ 1.400 no bolso e zero experiência em motociclismo.
“Somos ciganos. Por isso a aventura faz sentido para nós”, afirma Serafín.
Engenheiro agrônomo formado na Marinha uruguaia, onde ficou durante 13 anos, ele está no Brasil desde 1977, quando se casou com Shirley –ambos são da capital do país vizinho, Montevidéu.
Moraram em São Paulo, Rio, Fortaleza e em Linhares (ES), onde se formaram em turismo e hotelaria, em 2001. Isso os levou a trabalhar no polo ecoturístico do delta do Parnaíba, no Maranhão.
Tiveram pousada, restaurante e viveram em diversas cidades maranhenses: Imperatriz, São Luiz, Cururupu, Ilha dos Lençóis, Pinheiro –nesta, passaram os últimos dois anos trabalhando num resort turístico hoje decadente, basicamente em troca de alimentação e moradia.
“Já nos mudamos mais de 40 vezes. É assim que se conhece e não se fica parado, não vem a
monotonia”, diz Serafín. “Para trabalhar por comida, como estávamos fazendo aqui, é melhor fazermos isso pela estrada.”
O plano de rodar o mundo de moto surgiu em 2015. Inicialmente, pensaram em viajar até seu país de origem, para reencontrar os familiares, que não veem há 40 anos.
“Aí ele falou: ‘E se a gente faz o Brasil? E se a gente faz a América? E se a gente faz o mundo?”, diz Shirley, rindo.
A viagem foi planejada em etapas: primeiro, rodar todo o Brasil em até 120 dias. Depois, entrando pelo Uruguai, subir a América do Sul, rumo à do Norte. A partir de lá, ganhar o resto do mundo.
Em território nacional, almejam passar por todos os Estados, além do Distrito Federal. Desde a saída, no início do mês, já rodaram mais de 2.500 km e passaram por Palmas (TO), primeira das 26 capitais que querem visitar.
“A estimativa é rodar de 350 km a 400 km por dia. Com o peso, a moto faz em torno de 30 km por litro, é supereconômica”, afirma Serafín.
O mesmo pode ser dito do estilo de viagem do casal, que criou um site onde explica seu projeto e pede doações: www.mybigdream.co (assim mesmo, não.com).
A baixa divulgação, no entanto, não colaborou para o “crowdfunding” –receberam pouco mais de R$ 200 até a véspera da partida. Com isso, penavam para pagar as 24 prestações da moto, que custou cerca de R$ 10 mil.
Uma “boa alma”, nas palavras de Serafín, ajudou o casal a quitar as seis prestações restantes a quatro dias da viagem. Vendendo os poucos bens que tinham, conseguiram amealhar os R$ 1.400 com que partiram para a estrada “mundo afora”.
O que não veio em dinheiro vivo, no entanto, chegou em forma de apoio. Desde que saíram, vêm se hospedando e se alimentando graças à generosidade de moto clubes de muitos municípios. Alguns deles também doam verba para pagar o combustível.
O casal diz já ter oferta de hospedagem em diversas cidades do país. “É uma rede impressionante de solidariedade”, diz Serafín, que se comunica por WhatsApp com motociclistas do país todo.
Onde ainda não têm pouso certo esperam contar com ajuda “do quartel da polícia ou dos bombeiros, igrejas”. Pretendem também ofertar serviços, com sua experiência em turismo e hotelaria.
ACIDENTE PRÉ-VIAGEM
A dupla pretendia ter iniciado a viagem em 28 de abril de 2016, quando Serafín completou 70 anos. Na ocasião, ele furou a orelha direita e colocou um brinco. “Foi meu presente de aniversário. Motociclista tem que ter”, diz.
Mal tinham acabado de comprar a moto na ocasião –uma CG Titan, da Honda– quando se acidentaram com ela num dia de chuva.
“Foi um erro meu”, diz Shirley. “Estava sem botas, estava chovendo, meu pé escorregou no pedal e foi para dentro da roda, e eu derrubei a moto.” Ela sofreu dois cortes profundos no pé esquerdo, levou 26 pontos e ficou convalescendo por meses, andando com dificuldade.
O acidente os abalou momentaneamente, mas não a ponto de cancelar os planos. Reforçaram a segurança equipando a moto com itens que foram doados, além de assessórios para ambos.
Mesmo cientes dos riscos envolvidos numa jornada como essa, o casal mantêm uma convicção inabalável. “Eu vou morrer de qualquer jeito. Se é para morrer, a gente morre por aí. Pelo menos não vamos nos arrepender de não termos ido”, diz Serafín. (Folha de SP)

 
Do blog John Cutrim

Nenhum comentário:

Seja você também seguidor do blog mais acessado de Presidente Médici-MA.